quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

sobre o que segue seu curso

a cobra do sonho na terra do sono.

sonhava a cabocla ser outra metade e era em seu corpo o desejo um passeio, tão forte ele vinha que o verde brilhava, na relva dos olhos floresta do amor. no corpo moreno duas almas unidas, no céu  tinha um arco de cores tão lindas. pra cabocla o tempo era uma mulher, uma árvore sagrada, raiz desse mundo. ela plantada no centro de tudo, seu olho na testa mirando pra mim. eu desaguei num choro de amor. na fonte da calma uma poça formei, minhas lágrimas viraram frutas e a fome-saudade foi alimentada. cabocla já dorme, que a terra lhe cansa, comendo sua força pra segurar tudo. eu não zelo mais seu sono de perto, mas é certo que rezo pra que ela descanse, que acorde mais forte amanhã. a semente da troca brotou uma planta pequena, um cacto que defende o espaço que quer, e aflora no tempo que escolhe pra si. de longe eu me encanto com a força da flor e entendo o que cabe aos poucos.

aos poucos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário